SIMPÓSIO 09 - DESCRIÇÃO FUNCIONAL E ENSINO DO PORTUGUÊS

Coordenadores: 

Roberto Gomes Camacho – UNESP-São José do Rio Preto, Brasil e-mail: camacho@ibilce.unesp.br
Erotilde Goreti Pezatti – UNESP– São José do Rio Preto, Brasil e-mail: pezatti@ibilce.unesp.br

Resumo: 

Os trabalhos submetidos devem orientar-se sempre, em primeiro lugar, pelo modocomo a descrição teoricamente fundamentada pode transformar-se num discurso sobre o ensino da língua com base nas regras efetivamente em uso, distanciando-o do discurso prescritivo com base numa norma escrita e literária. Além disso, a reflexão em direção de uma gramática descritiva deve mobilizar um quadro de referência que privilegie as orientações sobre o ensino da língua portuguesa contidos nas respectivas diretrizes nacionais de educação.

No caso da variedade brasileira, os Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Portuguesa pressupõem uma concepção de língua que associa a interação, em nível teórico, dos princípios constitutivos da estrutura morfossintática e fonológica com os princípios semânticos e pragmáticos do processamento dessas estruturas. O quadro de referência privilegia, portanto, uma concepção de língua em que o produto da atividade verbal seja considerado a partir das marcas que a situação discursiva imprime nos enunciados.

As colaborações devem identificar-se especialmente com uma teoria de gramática,cujo principal compromisso é descrever a língua não como um fim em si mesmo, mas como um requisito do processamento interpessoal e representacional de cada interação verbal. Uma consequência metodológica dessa posição é o princípio de que a unidade de análise é, em primeira instância, as unidades da dimensão textual-interativa, o que pressupõe que as categorias pragmáticas e semânticas de análise devem alinhar-se com as categorias morfossintáticas e fonológicas, uma concepção de gramática que incorpore, portanto, categorias não exclusivamente formais de análise, como sustentam as teorias funcionalistas.

Palavras-chave: gramática do português; funcionalismo; codificação morfossintática; pragmática; semântica.

Minibiografias: 

Coordenador 01:
Roberto Gomes Camacho tem graduação em Letras pela UNESP(1973), mestrado em Linguística pela UNICAMP (1978), doutorado em Linguistica e Língua Portuguesa pela UNESP-Araraquara (1984), pós-doutorado pela Universidade de Amsterdã (2005), Livre-Docência pela UNESP (2009) e pós-doutorado pelo ILTEC de Lisboa (2011). Atualmente é Professor Adjunto da UNESP e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Coordenador 02:
Erotilde Goreti Pezatti é graduada em Letras (Licenciatura) pela UNESP, mestre em Linguística pela PUC-Campinas, doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP-Araraquara; Pós-Doutorado na Universidade de Amsterdã (2005) e no ILTEC de Lisboa (2012). Professora Assistente Doutor da UNESP-SJRP, onde atua na Graduação e na Pós-Graduação, na linha de pesquisa Descrição Funcional de Língua Oral e Escrita. É bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.