SIMPÓSIO 05 – LÍNGUA DE HERANÇA – EM BUSCA DE FUNDAMENTOS TEÓRICOS E ENCAMINHAMENTOS METODOLÓGICOS.

Coordenadores: 

Maria Célia Lima-Hernandes - Univesidade de São Paulo – mceliah@usp.br
Felícia Jennings –Winterle – Brasil em Mente - info@brasilemmente.org

Resumo: 

Este simpósio tem por objetivo reunir pesquisadores de áreas diversas que lidem com línguas de herança em vários aspectos de aplicação (língua, música, literatura, dança, esportes, teatro, gramática, cognição, ensino, história, geografia, arte etc.). É propósito verificar em que medida a língua portuguesa em várias partes do mundo pode conviver com as línguas locais e que efeitos se evidenciam.

A ideia é também acolher discussões sobre os seguintes tópicos: identidade, singularidade, inclusão social, sentimento de pertença e valorização da sociocultura via literatura, música, expressões da cultura material e imaterial, por exemplo. Um dos apelos temáticos resvala nas metas familiares para a inserção social e para a apropriação da herança cultural familiar, pois as decisões decorrentes permitem identificar efeitos diversos e adversos das ações individuais, familiares e comunitárias.

Outro braço relevante que se abre e que acolhe pedagogos, professores, psicológos e fonoaudiólogos é a explanação de métodos de preparação didática do professor, do cuidador e dos familiares, os quais precisam monitorar o impacto cognitivo e psicológico do indivíduo que fala mais de uma língua em situações diversas de seu cotidiano. Adicionam-se a esse quadro as síndromes e transtornos que se revelam das crises e dos embates sociais, tais como bullying, baixo rendimento escolar, acomodação da pronúncia local e interferências de hábitos familiares. A ideia é que, ao final dos dias de simpósio, um documento consolide as principais e mais importantes discussões que conduziram a proposições relativas ao enquadramento da política linguística (familiar ou não) do português como língua de herança, dentre as quais estão conteúdos curriculares e elementos culturais representativos que favoreçam o empossamento da herança sociocultural, o contato sociolinguístico e cultural e o papel das redes na formalização de ações mútuas.

Palavras-chave: língua de herança; socioculturas de língua portuguesa; politica linguística.

Minibiografias: 

Coordenador 01: Professora da Universidade de São Paulo (Brasil), pesquisadora CNPq nível 2, com um projeto sobre a situação sociolinguística do português em Macau. Estudiosa de temas de Linguística Histórica que tem se dedicado à investigação da relação entre evolução gramatical e fatores cognitivos. Prioriza entre seus objetos de investigação as construções de caráter mais gramaticais da língua. Orienta trabalhos de iniciação científica, mestrado e doutorado fundamentados nas teorias sobre gramaticalização em interface com a sociocognição e com a pragmática. Ligada ao Grupo de Pesquisa Linguagem e Cognição (Linc). 

Coordenador 02: Formada em Educação Artística - Música pela Faculdade Santa Marcelina, especialista em Educação Psicomotora pelo ISPE-GAE e especialista em musicalização infantil pela UNISA. É Mestre em Educação Musical com ênfase em Cognição pela New York University. No Brasil, fundou a Brasil em Mente – organização cultural que tem incentivado e promovido a língua portuguesa como herança em meio a comunidades no exterior através de diversas propostas educativas. Felicia é escritora dos livros Português Nosso de Cada Dia - um método para familiares e Uma história sem pé nem cabeça (co-autoria de Rosane Hirszman). Tem um artigo publicado no Harvard Language Journal, e apresentado workshops e trabalhos na Georgetown University, Harvard University e outros congressos sobre a língua portuguesa. Felicia acaba de criar o Dia do Português como Língua de Herança que teve sua comemoração inaugural dia 16 de maio de 2014.