SIMPÓSIO 36 - A QUESTÃO DA(S) LÍNGUA(S) PORTUGUESA(S): ENTRE O INSTITUCIONAL E A MEMÓRIA DO FUTURO

Coordenadores: 

Carla Barbosa Moreira; CEFET-MG; carlabmor@uol.com.br
Juciele Pereira Dias; UFF-Brasil/PNPD/CAPES; jucieledias@hotmail.com

Resumo: 

Este simpósio está inscrito no domínio da Análise de Discurso em sua articulação com demais áreas do conhecimento sobre a língua - tal como se dá no Brasil, cujos nomes basilares são Michel Pêcheux e Eni Orlandi -, além de áreas afins, como a Educação, Literatura e História. Nosso objetivo é o de construir um espaço de discussão acerca dos discursos sobre a(s) língua(s) dos países lusófonos em relação à memória institucionalizada sobre a língua portuguesa considerando sua constituição, formulação e circulação em diferentes lugares de produção e de legitimação do saber metalinguístico. Busca-se reunir trabalhos de pesquisa sobre políticas de língua nos espaços nacionais, problematizando as tensões entre a língua imaginária nacional e as outras línguas faladas nos territórios (Orlandi, 1988; Branco, 2013). Consideramos a noção de ‘memória do futuro’ (Mariani, 1998) enquanto um espaço (construção imaginária, não física) que arquiva projeções imaginárias promovendo gestões da memória social.

Trabalha-se assim com já ditos, com a constituição do dizer, com o que pode e deve ser dito sobre língua portuguesa enquanto língua materna, língua nacional, língua oficial, língua estrangeira, bem como com os diferentes modos de institucionalização dos saberes sobre essa língua portuguesa, sobre imaginários dessa língua legitimada em gramáticas, dicionários, manuais de ensino, ementas de disciplinas dos estados nacionais, bem como em documentos de organizações internacionais como a CPLP ou ainda pela mídia impressa e eletrônica (inter)nacional. Dentre esses espaços de circulação do saber sobre língua portuguesa estão os sites organizacionais e as redes sociais tais como o Facebook, o Youtube, etc. Por fim, problematiza-se a questão da memória do futuro da língua portuguesa em relação às tecnologias da linguagem (gramatização, informática), de modo a promover um deslocamento em torno da discussão sobre a formulação e circulação dos saberes sobre as línguas nacionais na atualidade.

Palavras-chave: Discurso, Memória, Políticas de Línguas, Língua(s) Portuguesa(s).

Minibiografias: 

Coordenador 01 Carla Barbosa Moreira possui graduação e mestrado em Letras (Universidade Federal de Minas Gerais) e doutorado em Estudos de Linguagem (Universidade Federal Fluminense. Desenvolveu Estágio pós-doutoral na Universidade Federal de Minas Gerais (2011), sob supervisão de Luiz Francisco Dias, e na Universidade Federal Fluminense (2014), sob supervisão de Bethania Mariani (UFF/LAS). É professora de Língua Portuguesa do CEFET-MG.

Coordenador 02 Juciele Pereira Dias possui graduação, mestrado e doutorado em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria, tendo feito estágio de doutorado na Universidade de Franche-Comté, como bolsista da CAPES-PDEE (2011-2012). Desde 2013 faz pesquisa de pós-doutoramento na Universidade Federal Fluminense/Laboratório Arquivos do Sujeito. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa ‘Teoria do Discurso’ (GTDis), liderado por Bethania Mariani (UFF/LAS)