SIMPÓSIO 40 – PASSADO, PRESENTE, FUTURO E OUTRAS COISAS MAIS NO AMPLO ESPAÇO DA LÍNGUA PORTUGUESA: O LINGUÍSTICO E O SOCIAL NA CONCORDÂNCIA VERBAL

Coordenadores: 

Maria Marta Pereira Scherre - Ufes e UnB mscherre@gmail.com
Lilian Coutinho Yacovenco - Ufes - lilianyacovenco@yahoo.com.br
Caroline Rodrigues Cardoso – Unilab – carolinerc@unilab.edu.br

Resumo: 

Nós mora lá e a gente mora lá ou nós morava lá ou a gente morava lá são construções emblemáticas no espaço rural e urbano do português brasileiro, indicadores de concordância e alternância variáveis envolvendo nós e a gente. Esses fenômenos variáveis exibem encaixamento linguístico e social (Weinreich, Labov & Herzog, 1968) na ampla comunidade de fala brasileira. Na dimensão linguística, atuam, por exemplo, tempo verbal e saliência fônica da relação singular/plural, com motivações de natureza funcional (desfaça a possibilidade de neutralização entre pretérito perfeito e presente), cognitiva (reserve o morfema –mos para formas mais salientes) e estrutural (evite as proparoxítonas) (cf., por exemplo, Naro, Görski & Fernandes, 1999; Naro, Scherre, Foeger & Benfica, 2014). Na dimensão social, observam-se contrastes entre o rural e o urbano, o efeito dos anos de escolarização e da faixa etária dos falantes, ao lado de motivações identitárias (cf., por exemplo, Foeger, 2014; Mattos, 2013; Mendonça, 2010; Rubio, 2012). A dimensão geográfica revela estratégias distintas para a concordância com nós e para a alternância nós e a gente: variedades mais rurais e mais distantes da padronização tendem a especializar –mos (e variações) para indicar pretérito perfeito e sua ausência para evitar proparoxítonas e indicar presente, quando houver neutralização. Variedades urbanas inserem mais a gente, uma esquiva da ausência de concordância com nós. Assim, nosso objetivo neste Simpósio é congregar estudiosos que se debruçam sobre os fenômenos de concordância verbal de primeira pessoa (com nós ou a gente) e de terceira pessoa plural, para ampliar generalizações e buscar os caminhos que trilham as variedades da língua portuguesa no Brasil, em Portugal, na África e na Ásia. Conhecer o presente, desvendar o passado e projetar o futuro da concordância verbal e seus alinhamentos com a alternância entre nós e a gente é o nosso desafio.

Palavras-chave: Concordância verbal. Alternância nós e a gente. Encaixamento linguístico e social.

Minibiografias: 

Coordenador 01
Doutora em Linguística, professora visitante nacional sênior (bolsa CAPES) da Universidade Federal do Espírito Santo, professora colaboradora sênior da Universidade de Brasília e Pesquisadora I-B do CNPq. Endereço eletrônico: mcherre@gmail.com

Coordenador 02
Doutora em Língua Portuguesa, professora associada da Universidade Federal do Espírito Santo. Endereço eletrônico: lilianyacovenco@yahoo.com.br

Coordenadora 03
Doutora em Linguística, professora adjunta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira. 
Endereço eletrônico: carolinerc@unilab.edu.br

Referências: 

Foeger, Camila Candeias. (2014). A primeira pessoa do plural no português falado em Santa Leopoldina. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.
Mattos, Shirley Eliany Rocha. (2013). Goiás na primeira pessoa do plural. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília,
Mendonça, Alexandre Kronemberger de. (2010). Nós e a gente em Vitória: análise sociolinguística da fala capixaba. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.
Naro, Anthony Julius; Gӧrski, Edair; Fernandes, Eulália. (1999). Change without change. Language Variation and Change 11:197-211.
Naro, Anthony Julius; Scherre, Maria Marta Pereira; Foeger, Camila Candeias; Benfica, Samine de Almeida. (2014). Sobre o encaixamento linguístico e social da variação de concordância com o pronome nós em terras brasileiras. Comunicação apresentada no 1st International Symposium on Variation in Portuguese, Universidade do Minho, Braga, Portugal