SIMPÓSIO 47 – PORTUGUÊS DO BRASIL: HISTÓRIA, CONTATOS E VARIEDADES

Coordenadores: 

Konstanze Jungbluth - Europa-Universität Viadrina - jungbluth@europa-uni.de
Layla C. Iapechino Souto - Universidade do Porto - layla2617@gmail.com
Mari Noeli Kiehl - UFRPE - mnkiehl@uol.com.br

Resumo: 

O pretenso monolinguismo do Brasil – com mais de 98% da população brasileira empregando o português como língua materna – mascara um passado de multilinguismo resultante dos entrechoques e do caldeamento entre o colonizador português, os índios silvícolas e campineiros e os negros africanos. Marcada por matrizes raciais e tradições culturais distintas, fortemente mestiçada e singularizada em seus traços, a sociedade e a cultura brasileiras, atadas à versão lusitana da tradição civilizatória europeia, dela diferenciaram-se por características e colorido próprios, herdados dos índios americanos e dos negros africanos [e, séculos mais tarde, da presença dos imigrantes]. Se, por um lado, nesse contexto promoveram-se os contatos culturais e linguísticos entre os grupamentos humanos formadores da sociedade brasileira, por outro, esses contatos não se revelaram suficientes, por exemplo, para a crioulização do português do Brasil – o que se deveu, sobretudo, à complexidade dessa sociedade. Reconhece-se que as análises política e social da articulação entre a língua e as formas de lutas e conflitos sociais não professam uma lógica causal, visto que a assimilação de línguas contempladas como dominantes ou o uso de variantes podem representar formas de resistência e de dominação, ou seja, da padronização de línguas nacionais emergem, incontáveis vezes, tentativas de aculturação e de assimilação de grupos sociais e, da falta de domínio da norma estabelecida, reforçam-se e instituem-se a exclusão e a discriminação sociais. Com as discussões pretendidas neste Simpósio, busca-se, pois, refletir sobre a natureza e o papel social da língua, percebendo a sua constituição e os usos vinculados a questões de cunho ideológico e às formas pelas quais são estabelecidos e confrontados – não se trata de, em resgates diacrônicos ou sincrônicos, definir a natureza de variantes e modalidades linguísticas, conferindo a uma ou a outra o estatuto de superioridade ou de legitimidade, mas sim de questionar a ocorrência do acesso à diversidade linguística e de entender, sob o enfoque das lutas e dos conflitos socioculturais, as questões em torno da constituição, dos usos e do domínio das linguagens, considerando o próprio e o não-próprio do português d[n]o Brasil. Trata-se, ainda, de, na acolhida a trabalhos que enfoquem as línguas em contato com o português d[n]o Brasil, desvelar vários brasis: o crioulo, o caboclo, o sertanejo, o caipira, o regional, o urbano e o dos imigrantes.

PALAVRAS-CHAVE: Português d[n]o Brasil; línguas em contato; variedades linguísticas; uso e norma.

Minibiografias: 

Konstanze Jungbluth jungbluth@europa-uni.de
Decano da Faculdade de Estudos Culturais da Europa-Universität Viadrina [Frankfurt-Oder], é professora de Linguística [Pragmática] e de Linguística Comparada, com pesquisas, de abordagens diacrônica e sincrônica, de temáticas acerca da dêixis e das tradições discursivas; das descrições linguísticas comparativas entre línguas das Europa do Leste e Ocidental; de variedades linguísticas; e dos contatos linguísticos de línguas europeias e outras línguas fora da Europa, notadamente na América Latina, como o espanhol e o português do Brasil. Tem sido responsável [i] por inúmeros projetos de pesquisa e de dissertação em interfaces com as Ciências Sociais, a História, a Geografia Urbana e outras disciplinas/áreas afins; [ii] por cursos de extensão e de pós-graduação em instituições europeias e sul-americanas; e [iii] por publicações de artigos e livros sobre seus temas de pesquisa.

Layla Cristina Iapechino Souto layla2617@gmail.com
Graduada em Letras/Literatura pela Universidade Federal da Grande Dourados [UFGD], em 2011, é aluna do Mestrado em Linguística pela Universidade do Porto [UP – Portugal]; professora de língua portuguesa para estrangeiros na Iberika Sprachschuler [Berlim]; revisora de textos acadêmico-científicos; membro integrado na equipe de investigação do Centro de Linguística da Universidade do Porto; e pesquisadora nas linhas: Gêneros Discursivos, Produção Textual e Linguística Textual.

Mari Noeli Kiehlmnkiehl@uol.com.br
Com Mestrado e Doutorado em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo [PUC-SP] e estágio pós-doutoral pelas universidades Estadual do Ceará [PosLA - UECE] e Universität Mannheim / Philosophische Fakultät - Romanisches Seminar, é professora [Adjunto IV] do Departamento de Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal Rural de Pernambuco [DLCH/UFRPE] e membro dos grupos de pesquisa “Análise de Gêneros e de Discurso” [UFRPE] e Semiótica, Leitura e Produção de Textos [SELEPROT/ UERJ], com publicações em Historiografia Linguística, Análise [Crítica] do Discurso e Pragmática.